9 hábitos para você colocar em prática

Algumas mudanças de hábitos podem ajudar a evitar problemas como constipação (prisão de ventre), refluxo, azia e gastrite, além de doenças mais sérias. Continue a leitura e veja nove recomendações que ajudam a prevenir esses problemas gastrointestinais.

1- Cuidados com o sistema digestivo – coma alimentos ricos em fibras
Alimentos ricos em fibras são essenciais para a formação do bolo fecal e para o trânsito gastrointestinal. Além de ajudar a evitar a constipação, esses nutrientes também podem contribuir para a redução do risco de diabetes e doenças cardíacas. Para adultos saudáveis, a recomendação de consumo diário de fibras varia entre 25 a 38 gramas.

Como incluir mais fibras na dieta?

Coma de cinco a sete porções de frutas, legumes e verduras por dia;
Inclua aveia e alimentos integrais no cardápio;
Opte por variedades de alimentos coloridos nas refeições.

2- Cuidados com o sistema digestivo – evite excesso de gorduras e açúcar
Prefira carnes magras – como peixe ou frango, que possuem menos gordura. Limite também carnes processadas, como salame, bacon e salsicha. Estudos já ligaram o consumo desses alimentos ao aumento do risco de câncer no estômago e intestino.

Evite fast-foods e alimentos ultraprocessados – já que são ricos em açúcar, sódio e gorduras saturadas. Eles podem ser mais difíceis de serem digeridos pelo corpo e causar problemas como prisão de ventre e gases, além de estarem associados ao desenvolvimento de câncer e outras doenças crônicas, como diabetes, hipertensão e obesidade.

3- Cuidados com o sistema digestivo – consuma probióticos
Os probióticos são microrganismos vivos (como, por exemplo, bactérias “boas”) que trazem diversos benefícios à saúde, facilitando a digestão, absorção de nutrientes e até ajudando a aumentar a imunidade. Isso acontece porque, ao interagir com a microbiota intestinal (microrganismos que habitam o intestino), as bactérias probióticas “competem” com as nocivas por espaço na mucosa gastrointestinal. Como consequência, as bactérias “do bem” comprometem o crescimento dos microrganismos que podem causar problemas de saúde.

Como consumir probióticos? Os suplementos são fontes confiáveis de probióticos. No Brasil, eles podem ser encontrados de forma concentrada, secos, em pó, cápsulas e comprimidos. Consulte um médico ou nutricionista para que ele indique qual o probiótico mais indicado para você.

4- Cuidados com o sistema digestivo – durma bem
Os distúrbios do sono têm um forte impacto no sistema digestivo, e, por outro lado, muitos sintomas de doenças gastrointestinais influenciam na qualidade do sono. Não dormir o suficiente está relacionado a uma maior prevalência de obesidade, que leva a distúrbios do sistema digestivo como refluxo gastroesofágico, esteatose hepática e, potencialmente, câncer de intestino. Além disso, a obesidade é um importante fator de risco para apneia do sono, resultando em sono insatisfatório, o que pode levar a doenças gastrointestinais.

Estudos já mostraram que o tratamento do distúrbio do sono de um paciente ajuda na melhora dos sintomas gastrointestinais.

5- Cuidados com o sistema digestivo – movimente-se
O sedentarismo pode levar a uma digestão preguiçosa. Por outro lado, praticar exercícios físicos regularmente ajuda no deslocamento da comida pelo intestino, prevenindo a constipação. Além disso, manter o hábito de levar uma vida ativa contribui na prevenção da obesidade e de outras doenças, como câncer de intestino, diverticulite e colelitíase.

6- Cuidados com o sistema digestivo – atenção à saúde mental
Estresse e ansiedade podem causar sintomas físicos. Algumas pessoas podem manifestar:

Constipação, inchaço e dor abdominal;
Diarreia;
Falta de apetite;
Em casos mais graves, o estresse emocional pode contribuir para o desenvolvimento de úlceras e síndrome do intestino irritável.
Como solução, vale buscar atividades que desestressam e acalmam, como exercícios físicos, ioga, meditação, além da ajuda profissional de um psicoterapeuta.

7- Cuidados com o sistema digestivo – evite o tabagismo e consumo de álcool
O tabagismo contribui para muitos problemas no sistema digestivo – desde os mais incidentes na população até doenças mais graves. Os principais são:

Azia;
Refluxo gastroesofágico;
Úlceras;
Doença de Crohn;
Pólipos no intestino;
Pancreatite;
Cálculos biliares.

O consumo de álcool, mesmo que moderado, pode levar ao crescimento excessivo de bactérias no intestino delgado. Isso pode gerar alguns sintomas gastrointestinais, como inchaço, gases, dor abdominal, constipação e diarreia. Já a ingestão excessiva de bebidas alcoólicas aumenta a produção de ácido no estômago, provocando azia e até doenças graves do sistema digestivo, como a cirrose.

8- Cuidados com o sistema digestivo – atente-se à hidratação
Beber bastante água e outros líquidos, como chás e sucos naturais, ajuda na absorção dos nutrientes dos alimentos e oxigênio. Além disso, a água também amolece as fezes, o que ajuda a prevenir a constipação e contribui para o bom trânsito intestinal.

9- Cuidados com o sistema digestivo – mastigue com calma
Comer com pressa e sem mastigar adequadamente pode desencadear má digestão, azia, queimação e inchaço abdominal. Quando a comida não é devidamente mastigada, o sistema digestivo é forçado a trabalhar mais intensamente para processar os alimentos e prepará-los para passar pelo intestino. Portanto, reserve um tempo para saborear sua refeição e mastigar de forma cuidadosa para facilitar a digestão e evitar desconfortos gastrointestinais.

SAUDE DA FAMILIA IMIGRANTE EM SÃO PAULO

Em São Paulo entre os muitos desafios de saúde que essas comunidades enfrentam, o cuidado com o sistema digestivo tem se destacado como uma preocupação constante, especialmente entre os imigrantes hispânicos.

O Centro de Saúde da Mulher Imigrante e Refugiada reconheceu essas necessidades específicas e, como resposta, implementou um atendimento diferenciado e sensível às particularidades das comunidades de imigrantes hispânicos em São Paulo, focando especialmente na saúde do sistema digestivo.

Uma das características mais notáveis desse atendimento diferenciado é a disponibilidade de profissionais de saúde que falam espanhol e português fluentemente. Isso é essencial para eliminar a barreira linguística que muitos imigrantes enfrentam ao buscar assistência médica. Ao poderem se comunicar efetivamente com seus médicos e profissionais de saúde, esses imigrantes podem descrever seus sintomas, preocupações e históricos médicos com precisão, o que é crucial para um diagnóstico e tratamento adequados.

Além disso, a equipe do Centro de Saúde da Mulher Imigrante e Refugiada reconhece a importância da educação em saúde. Eles fornecem informações detalhadas sobre como manter uma dieta saudável, evitando alimentos que possam causar problemas digestivos, e promovem a conscientização sobre a importância de hábitos de vida saudáveis. Isso inclui orientações sobre a importância de mastigar os alimentos corretamente, escolher alimentos ricos em fibras e limitar o consumo de alimentos processados e ricos em gordura.

Compartilhe esta postagem:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Telegram
WhatsApp
Email
Print