Prorrogadas as inscrições para a 4ª edição do Selo de Direitos Humanos e Diversidade até 06 de agosto

Organizações públicas, privadas e do terceiro setor podem se inscrever em programa da Prefeitura de São Paulo que reconhece boas práticas de inclusão

Publicado em
Prorrogadas as inscrições para a 4ª edição do Selo de Direitos Humanos e Diversidade até 06 de agosto

Empresas e organizações estabelecidas na cidade de São Paulo, e que desenvolvem iniciativas para promover a diversidade e os direitos humanos no ambiente de trabalho e também na sociedade, agora têm até o dia 6 de agosto para inscrever suas ações para que sejam reconhecidas pela Prefeitura de São Paulo por meio do Selo de Direitos Humanos e Diversidade, promovido pela Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC). O programa, que promove boas práticas de diversidade e inclusão em organizações públicas, privadas e do terceiro setor, chega à quarta edição em 2021.

Acesse aqui o regulamento e formulário de inscrição.

O Selo é um reconhecimento para essas iniciativas e tem validade de um ano. A novidade da edição 2021 é a inclusão da categoria "Povos Indígenas" Foi mantida a pontuação extra para medidas adotadas para mitigação dos efeitos da pandemia de covid-19. A 3ª edição do programa registrou um recorde com 201 iniciativas inscritas, das quais 147 foram reconhecidas, sendo 65 empresas, 77 entidades do terceiro setor, 3 órgãos públicos e 2 grupos de organização

Veja aqui a relação de empresas e iniciativas reconhecidas pela 3ª edição do Selo de Direitos Humanos e Diversidade.

Claudia Carletto, Secretária Municipal de Direitos Humanos e Cidadania, destaca a importância de atribuir pontuação extra às iniciativas relacionadas à covid-19. "Diante da gravidade da situação, foi importante reconhecer o papel das organizações no combate aos efeitos da pandemia, ao mesmo tempo que o programa cumpre com a sua proposta de incentivá-las a desenvolver ações de inclusão".

O Selo é composto por 12 categorias: Igualdade Racial; Infância e Adolescência; Juventude; LGBTI; Mulher; Pessoa com Deficiência; Pessoa Idosa; Pessoa em Situação de Rua; Pessoa Imigrante; Pessoa Privada de Liberdade e Egressa; Povos Indígenas; e Transversalidade. Esta última, introduzida também a partir do ano passado, refere-se a iniciativas que contemplem mais de uma categoria.

As iniciativas podem ser internas, como equidade salarial para a mesma função, políticas de benefícios para promoção de inclusão e igualdade e capacitação e treinamento com conteúdos de direitos humanos à diversidade. Além disso, também são reconhecidas iniciativas voltadas à comunidade e à sociedade, como projetos filantrópicos voltados para grupos em situação de vulnerabilidade e desenvolvimento de produtos e serviços com impacto social. As organizações também podem participar na forma de grupos constituídos por pessoas jurídicas que desenvolvam ações, programas ou políticas conjuntas.

Empresas e organizações já premiadas

O Selo premia ações desenvolvidas por empresas e organizações de pequeno, médio e grande porte. A seguir, destacamos algumas das iniciativas premiadas. A PWC foi premiada, na 2ª edição, pelo projeto Diversidade no Processo Seletivo de Trainees, que envolve cerca de 400 contratações anuais baseadas em critérios de diversidade (gênero, raça e PcD). O objetivo do projeto é tornar o ambiente de trabalho com maior diversidade e condizente com a realidade da sociedade brasileira.

Outra iniciativa premiada, na 2ª edição, é a da Women at UBER (Mulheres da UBER), que parte de um grupo de funcionárias que agem pela igualdade e gênero, tanto no ambiente de trabalho (contratação, permanência, crescimento e empoderamento de mulheres na empresa) quanto externamente, na forma como a marca se posiciona e age em situações como a violência contra as mulheres, geração de oportunidades econômicas e autonomia financeira.

O Selo possui validade de um ano, durante o qual as organizações reconhecidas integram a Rede do Selo. O objetivo é inspirar as organizações a aprofundarem suas iniciativas e expandi-las para outras categorias, por meio de uma rede de intercâmbio e troca de experiências. As organizações que participam de uma edição podem se inscrever na edição seguinte, seja na mesma ou em outras categorias, ou ainda com a mesma iniciativa, especialmente se ela houver demonstrado significativo incremento.

O programa Selo de Direitos Humanos e Diversidade surgiu da constatação de que a inserção no mercado de trabalho é fundamental para a promoção da igualdade em direitos, ao permitir que as pessoas vivam com dignidade e respeito e construam sua noção de cidadania. Dessa forma, a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania buscou colocar-se nesse debate por meio do reconhecimento de boas práticas de diversidade e inclusão em organizações públicas, privadas e do terceiro setor.

CAMI - Live América Indígena: Identidades e Resistências

Publicidade

Deixe um comentário