Luciel Izumi: jovem artista boliviana desponta com as melodias do Charango

Luciel Izumi é uma das "charanguistas" mais importantes da Bolívia. Seu talento a levou a ser muito ativa despontando também no exterior. Com 26 anos de idade, nasceu em "La Paz" e mora em "Cochabamba", onde se dedica à música, embora tenha estudado engenharia comercial. Ela é uma artista de sessão, tem sua banda solo e dá workshops de "charango".

Publicado em

Luciel Izumi: jovem artista boliviana desponta com as melodias do Charango

Como você começou com o charango?

Graças ao professor Williams Centellas. Me apaixonei pelo charango quando o vi tocar no teatro Achá, ainda era muito criança, adorava o som do charango e a encenação do maestro Centellas, a combinação de ritmos me fascinava. Isso me motivou a aprender a tocar o "charango", meu irmão me comprou um e pagou as aulas, minha mãe não queria que eu aprendesse a tocar e meu pai não descobriu (risos).

Luciel Izumi: jovem artista boliviana desponta com as melodias do Charango

Tem sido muito difícil ser uma mulher charanguista? Já te disseram que tocar charango é sinal de azar?

Sim, tem sido e continua sendo muito difícil, que a gente dê azar, dizem, acho o contrário, que com uma melodia linda tudo fica melhor.

Antes, quando eu era criança, havia poucas mulheres charanguistas, muitas "ñustas", mas claramente instrumentistas, quase nenhuma.

Quando comecei a preparar os shows e concertos resolvi expor com uma estética diferente, parei (o que não era o costume naquela época) com meu vestido curto "A", salto e muito espírito, a essa altura já era coisa fora do comum. Fui muito criticada por isso em meio aos charanguistas e folcloristas, aí virou moda, muitas garotas começaram a usar a mesma estética. Pareceu-me interessante abrir o sendeiro para outros colegas que talvez não tenham sido encorajados antes, na verdade me inspirei na estética de Cyrille Aimee (minha cantora de jazz favorita).

Luciel Izumi: jovem artista boliviana desponta com as melodias do Charango

Existe machismo no mundo da música?

Infelizmente o machismo está em tudo, muitas vezes me falaram que eu deveria cantar, seria um show melhor, porque “a mulher fica mais bonita quando canta”. Acho que meu charango é aquele que canta e conta histórias para eles. Outra coisa que me disseram: "É que as mulheres pequenas precisam de força para brincar, sempre tocam delicado, suave, isso não é emocionante." Acho que é a coisa mais forte que me falaram ou que me afetou no mundo folclórico machista, depois de tudo isso e tantas outras coisas resolvi me afastar do mundo folclórico, mas não do folclore, porque isso está no meu sangue e na minha pele.

Mas tem que mudar, e isso depende de nós e provar que eles estão errados. Estou praticando "k’alampear" tão duro quanto um homem, irei cantar, mas minhas músicas terão uma forte mensagem de mudança, mais do que apenas para um show "mais bonito". Cabe a nós mudar esse mundo que deixamos para as meninas e as gerações futuras, vamos fazer história com a música hoje e agora, devemos isso a nós mesmos.

Luciel Izumi: jovem artista boliviana desponta com as melodias do Charango

Como você começou a experimentar ritmos?

Na escola eu adorava rock, metal e folclore, costumava gravar algumas músicas do "Kiss" no "charango", achava que era legal entre meus amigos (tinha 13-14 anos) (risos). Foi o início do que hoje é minha vida completa, meu professor me fez trazer música clássica e internacional para tocar com orquestra, The Beatles, The Carpenters, ABBA e obras clássicas, ele também me ajudou muito nisso.

Depois conheci jazz, ouvi alguns amigos, isso foi mágico para mim. Adorei e nunca vi impedimento para o charango, sinto que juntos nada é impossível, mas tem um processo.

Bandas de rock, reggae, funk, jazz, pop, cumbia me convidaram para colaborar com elas, então pude aprender muito mais.

Atualmente adoro a fusão do charango com tudo, tenho muitas composições em ritmos internacionais.

Nossa geração está passando por fortes mudanças, eu amo a música que é criada agora. Os jovens estão a colocar paixão e identidade na nossa música, um folclore diferente, com misturas únicas e típicas desta época.

E foi para isso que viemos, para marcar um momento para as futuras gerações também tocarem nossa música.

Luciel Izumi: jovem artista boliviana desponta com as melodias do Charango

Prêmios conquistados:

• Concurso Solista Instrumental ABAIEM Cochabamba (2007);

• Primer Lugar Festival del Charango Aiquile (2009);

• Evento: 1000 Charangos Potosí Bolivia - Guinness World Records (2009);

• Primer Lugar en el Concurso Departamental de Música Folklórica Cochabamba (2010);

• Charango de Bronce -Concurso Internacional del Charango Aiquile (2010);

• Primer Lugar evento Aquí Canta Bolivia-Oruro (2010);

• Calidad en el Mundo -The Quality Aword of the World- Diamante de la Excelencia - Artista, Intérprete y Compositora (2012);

• Galardón Andino de a la Excelencia, Liderazgo y Compromiso Social (2012)...

Contatos de Luciel Izumi:

instagram.com
facebook.com/LucielIzumiCharango
luciel.izumi@gmail.com

fonte: lostiempos.com

CAMI - Live América Indígena: Identidades e Resistências

Publicidade
Quipus Podcast #6 - Pachamama 6920

Quipus Podcast #6 - Pachamama

Oferendas nos Andes nos lembram que tudo o que recebemos é fruto da natureza. Mas o que é a Pachamama? O que simboliza para os povos andinos? Você...

Deixe um comentário