Dia Internacional da Mulher Indígena

Comemora-se, neste dia 5 de setembro, o Dia Internacional da Mulher Indígena, criado em 1983, para guardar na memória coletiva uma situação de enfrentamento, uma situação de luta, de luta pela sobrevivência.

Publicado em
Dia Internacional da Mulher Indígena

O nome da mulher indígena, guerreira, que inspirou a efeméride, é o da índia aimará Bartolina Sisa, que, juntamente com seu marido, Túpac Katari, da mesma etnia, comandou uma rebelião contra os conquistadores e dominadores espanhóis, no Alto Peru, região atual da Bolívia, em 1781.

O Dia Internacional da Mulher Indígena, todavia, é uma data para nos lembrar que o racismo tem impedido o movimento de mulheres de apreender e de compreender o legado ancestral de sabedoria dos povos e das mulheres indígenas, assim como dos povos e mulheres negras.

A multiplicidade dos povos e das mulheres deve ser fator de multiplicação e união, não de divisão e subtração.

Devemos a povos indígenas contemporâneos, no Equador, a introdução do conceito de “bem viver” como uma categoria política de abrangência global, universal.

Para nós, brasileiras, o “bem viver” poderia ser lido como uma espécie de antítese das formas de violência que a Lei Maria da Penha nos ensinou a enxergar. “Bem viver”, numa tradução pela mulher brasileira, seria viver sem violência física, sem violência sexual, sem violência psicológica, sem violência moral, sem violência patrimonial.

O desejo da Procuradoria da Mulher do Senado é que nossas lutas se fecundem mutuamente, na construção de um movimento de mulheres cada vez mais plural e melhor.

Em discurso, Eliane Guajajara.
Foto: Moreira Mariz/Agência Senado
fonte: 12.senado.leg.br

Publicidade

Deixe um comentário