hollister online hollister wien abercrombie and fitch wien abercrombie wien adidas superstar adidas superstar damen belstaff lederjacke belstaff sale belstaff outlet salzburg woolrich parka woolrich arctic parka woolrich sale peuterey jacken peuterey sale peuterey jacken herren
Clipe tem participação de mulheres negras, periféricas, indígenas e imigrantes - Bolívia Cultural

Bolívia Cultural - Eventos, Promoções e Novidades!

Confira os eventos, promoções e novidades em sua cidade. Aqui, no Bolívia Cultural!

Clipe tem participação de mulheres negras, periféricas, indígenas e imigrantes

Clipe tem participação de mulheres negras, periféricas, indígenas e imigrantes

Novo clipe de Ana Cañas tem participação de mulheres negras, periféricas, indígenas e imigrantes


Respeita” é o nome do mais novo single da cantora Ana Canãs, lançado no último dia 13 de maio, no Centro Cultural São Paulo (CCSP). O clipe, dirigido por Isadora Brant e João Wainer, envolveu 86 mulheres, de São Paulo e Rio de Janeiro, que lutam pelos direitos femininos em diversas frentes no Brasil.

 

Jobana Moya, boliviana da Base Warmis e Jéssica Moreira, do Nós, mulheres da periferia


Gravado em preto e branco, o clipe traz retratos das mulheres abrindo os olhos após imaginarem situações de agressão que já haviam vivenciado. A letra é um verdadeiro grito de resistência contra todo o machismo sofrido por mulheres diariamente.





Além de nomes já conhecidos do grande público, como Elza Soares e Andréia Horta, o vídeo trouxe também mulheres ligadas diretamente aos movimentos sociais que lutam por direitos básicos das mulheres negras, periféricas, imigrantes e indígenas. Estão no vídeo Carmen Ferreira, da Frente de Luta por Moradia (FLM), a cacique da Aldeia do Jaraguá (Tekoa Pyau), Márcia Djera Mirim, uma das representantes da Base Warmis Convergência das Culturas, a boliviana Jobana Moya e Jéssica Moreira, uma das co-fundadoras do Nós, mulheres da periferia.

 

Jéssica Moreira, moradora de Perus, uma das co-fundadoras do coletivo Nós, mulheres da periferia

 

“Participar do clipe foi também gritar os assédios que todos os dias pairam em nossos corpos e, muitas vezes, não conseguimos reagir. É encontrar eco no grito de outras mulheres e fortalecer a luta pelo fim da violência sexual, que mata fisicamente e psicologicamente, todos os dias. A questão se intensifica ainda mais quando falamos sobre nós, negras, já que nossos corpos sempre foram tidos como a carne mais barata do mercado. Gritar essa dor é, de algum modo, gritar as dores de nossas ancestrais e nos fortalecermos para que isso realmente se acabe em nossa sociedade”, apontou Jéssica.

 

Jobana Moya, imigrante boliviana, uma das integrantes da Base Warmis Convergência das Culturas



“Violência
Por todo mundo
A todo minuto
Por todas nós
Por essa voz
Que só quer paz
Por todo luto
Nunca é demais
Desrespeitada
Ignorada
Assediada
Explorada
Mutilada
Destratada
Reprimida
Explorada
Mas a luz
Não se apaga
Digo o que sinto
Ninguém me cala”



Márcia Djera Mirim, cacique da Aldeia do Jaraguá

 

fonte: nosmulheresdaperiferia.com.br